Avaliação Audiológica Infantil / Triagem Auditiva Neonatal

A Triagem Auditiva Neonatal tem como principal objetivo a detecção precoce de uma possível perda auditiva, podendo ser realizada desde o primeiro dia de vida.

Este procedimento baseia-se em respostas reflexas e comportamentais do neonato frente aos estímulos sonoros de equipamentos específicos para essa avaliação.

Detectar perdas auditivas;

Detectar alterações de orelha média;

Conscientizar pais e equipe multidisciplinar sobre os cuidados com a audição, e sua relação com a aprendizagem;

Possibilitar tratamento e intervenção otorrinolaringológica;

Prevenir doenças crônicas;

Minimizar os efeitos das perdas auditivas.

0 à 6 semanas:

Triagem auditiva neonatal comportamental

Noise Stick – teste com ruído – 60 e 90dB Narrow Band

Pesquisa do Reflexo Cócleo Palpebral (Agogô)

Pesquisa de movimentação ocular (sino)

Impedanciometria

Teste da orelhinha:
.: EOA - Emissões Otoacústicas
.: PEATE - Potencial evocado auditivo do tronco encefálico (BERA)

bebe

 

Quando se inicia a Avaliação Audiológica na criança?

A criança pode e deve ser avaliada desde o nascimento, principalmente os neonatos provenientes de UTI.
Em caso de confirmada a deficiência auditiva, a criança deve receber intervenção educacional até os 6 meses, visto que nesta idade a audição normal é essencial para o desenvolvimento da fala e linguagem oral.


Quais o fatores que indicam perda auditiva? Fonte: Joint Comittee on Infant Hearing

NEONATOS (nascimento – 28 dias)

1. História familiar de deficiência auditiva cognêtica;
2. Infecção congênita (sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes);
3. Anomalias crânio faciais (malformações de pavilhão auricular, meato acústico externo, ausência de filtrum nasal, implantação baixa da raiz do cabelo);
4. Peso ao nascimento inferior à 1.500g;
5. Hiperbilirrubinemia (níveis séricos indicativos de exsanguineo- transfusão);
6. Medicação ototóxica por mais de 5 dias (aminoglisideos ou outros, associados ou não aos diuréticos de alça);
7. Meningite bacteriana;
8. Boletim Apgar de 0-4 no 1º minuto ou 0-6 no 5º minuto;
9. Ventilação mecânica por período mínimo de 5 dias;
10. Sinais ou síndromes associadas à deficiência auditiva condutiva ou neurossensorial.

CUIDADOS COM A AUDIÇÃO:
  • O bebê deve ser amamentado ou tomar a mamadeira em posição de 45º;
  • Não use cotonete no seu filho, uma toalha é o suficiente para a higiene da orelha;
  • Procure um médico se ele demonstrar dores de ouvido.